Relevante artigo da professora socióloga norte americana da Universidade de Maryland , que tem se  debruçado  sobre os   Estudos afro-Americanos  , principalmente sobre o movimento feminista negro e as distinções conceituais  que vieram distinguir a atuação de teóricas feministas negras  das comunidades negras em geral.

Collins   explica o “Pensamento feminista negro: consciência e a política do empoderamento”. Ver YOTUBE , sua explicação legendada. Patricia Hill Collins explica PENSAMENTO FEMINISTA NEGRO

A partir do  conceito de ” Mulherismo”  – womanism/ womanist and womanish,  introduzido pela escritora e  ativista feminista negra  Alice Walker ( 1983,  autora também da ” Cor Purpura “/1983. Premio  Pulitzer) e do artigo  In Search Our mothers Gardens”  que elaborou uma relevante reflexão diante das divergências  existentes , onde se inclui  o feminismo e a supremacia  branca nos EUA e uma luta contra o “ racismo sistêmico”. 

Referenciando outras autoras, acadêmicas negras , COLLINS, aprofunda a discussão sobre o feminismo negro e suas inconstâncias internas  diante da opressão de gênero , considerado uma categoria relevante das feministas brancas .

O texto pode ser lido no Cad. Pagu  no.51 Campinas  2017  Epub Dec 18, 2017

http://dx.doi.org/10.1590/18094449201700510018

RESUMO

O texto aborda as “diferenças e semelhanças” entre o mulherismo e o feminismo negro no contexto das tradições afro-americanas. A autora considera que esse debate reflete o desafio básico de acolher a diversidade das mulheres negras. Mas, por que o nome dado ao ponto de vista das mulheres negras é tão importante? Por que a busca por uma definição para explicitar o ponto de vista crítico das mulheres afro-americanas esconde muito mais do que revela, pois na busca de uma unidade conceitual deixamos de lado, ou perdemos a questão mais importante: compreender como as vozes das mulheres negras coletivamente constroem, afirmam e mantêm um ponto de vista auto definido e dinâmico.

Ver também

Resultado de imagem para patricia hills Collins

Alice Walker. 2017             Patricia Hills Collins