A trajetórias dos estudos recentes  sobre os intelectuais negros  visando construir a inclusão social, nos leva a pensar cada vez mais sobre  porque a equidade de gênero é ainda uma questão desafiadora em nossa sociedade . Os índices e dados levantados  pelo LIEG/UNESP tem demonstrado que a violência de gênero  assume proporções alarmantes a cada dia. O espaço acadêmico até então protegido  pela soberba de uma intelectualidade pensante afastou as suspeitas de que as hierarquias funcionavam de tal maneira a  ponto de subordinar as relações de poder e por efeito de gênero.

As matérias na revista PESQUISA FAPESP, de maio /2018, sobre ” Os caminhos da liberdade! em comemoração dos 130 anos da Lei Áurea( 1888 -2018 ) onde pesquisadores buscam compreender o significado e os efeitos reais da Abolição da Escravidão em nosso país  e a entrevista com a pesquisadora  e historiadora argentina  Paulina  Alberto, nos oferece subsídios  para pensar a inclusão das mulheres na sociedade.

Acesso: Paulina Alberto: a militância e luta no seculo XX  http://revistapesquisa.fapesp.br/2018/05/23/paulina-alberto-militancia-e-luta-no-seculo-xx/

Os Caminhos da liberdade  http://revistapesquisa.fapesp.br/2018/05/23/caminhos-da-liberdade/