QUEM SOU EU? AS MULHERES E AS IDENTIDADES REDESCOBERTAS

A  partir  de  uma  dimensão  da cultura, a palavra fronteira desvencilha-se da ideia  de  limite  territorial  definido,  a  priori, como  algo  fixo  para  o  delineamento  de limites.  Liberada  desse  comprometimento, ela  pode  ser  pensada  em  outras  dimensões: como  momentos  de  transição  de  identidades vivenciados  pelos  indivíduos,  no  caso  as mulheres,  frente  às  normas  estabelecidas.

Questionando  o  discurso  determinante  e conectadas  a  processos  de  mudanças,  elas saíram  das  margens  em  que  viviam  e buscaram  reconhecimento  de  si,  fizeram novas  escolhas  identitárias  e  assumiram outras  possibilidades  de  ser,  de  inserção social, associadas à garantia de seus direitos. Reconhecendo  a  existência  desse movimento,  proponho  um  olhar  fronteiriço sobre a inserção de mulheres  na condição de viuvez,  de  modo  a  observar  as  múltiplas identidades  femininas  em  seus protagonismos.

A presente  reflexão pretende levar  em  consideração  os  esgarçamentos sociais  para  além  dos  limites  e  sentidos impostos  –  no  caso,  a  viuvez  –,  dilatar  as fronteiras  de  seus  significados  e  pensar  na possibilidade  de  sujeitos  híbridos, diferenciados,  sendo,  portanto,  móveis  e  se deslocando  a  todo  momento  em  uma performance contínua de atuação, como bem têm demonstrado os estudos contemporâneos sobre  as  relações  de  gênero  que  levam  em consideração as distinções de raça, de classe, de etnia e, principalmente, de gerações.

Veja o artigo completo aqui