De acordo com o Relatório do Banco Mundial , mesmo em países  ricos, ( inclui-se os Estados Unidos) a situação ainda carece de lutas e e elaboração de leis  coibidoras de violência contra as mulheres.

“.O  Relatório “Mulheres, empresas e a lei de 2019” ,   utilizou vários  indicadores para avaliar o progresso das mulheres na obtenção de direitos legais, acesso a empregos e proteção contra a violência, incluindo assédio sexual, em 181 países

Apenas em países, na Europa, como a  – Bélgica, Dinamarca, França, Letônia, Luxemburgo e Suécia –  alcançaram a pontuação de 100, indicando que as mulheres estão em igualdade de condições com os homens durante seus anos de trabalho.

Os países que  tiveram o pior   desempenho em direitos das mulheres, e ficaram entre 25 e 50, incluí-se a Síria, Catar, Irã, Sudão, Emirados Árabes Unidos e Arábia Saudita. Em 2018,  o governo saudita permitiu  que as  tivessem o  direito de dirigir, mas  ainda precisam ser acompanhadas por um homem se deixarem a casa.

O Oriente Médio e o Norte da África  desenvolveram politicas  de melhorias  com a  adoção de leis de violência doméstica. E no sul da Ásia, Afeganistão, Bangladesh, Índia, Maldivas, Nepal e Paquistão introduziram leis sobre assédio sexual no local de trabalho.

Pesquisas  do Fundo Monetário Internacional, apontou que a economia global melhoraria se  as  mulheres ocupassem posições de liderança. Quando  isso acontece ,  por exemplo, o número de empréstimos inadimplentes encolhe, presumivelmente porque as mulheres tendem a assumir menos riscos e a pensar mais a longo prazo.

A ONU Mulheres, que defende a igualdade de gênero, observou que muitos países pararam de introduzir leis ou regulamentações que pudessem ajudar as mulheres a encontrar empregos ou iniciar um negócio, formas cruciais de alcançar sua independência financeira e segurança. Por que?

Bolivian Women in Oruro

https://mail.uol.com.br/?xc=ee4d2fe60630ea68d1e1a074ca20963c#/webmail/0//INBOX/page:1/MTY3OTM4