Tecnologias baseadas em big data estão reforçando estereótipos de gênero, de classe e de raça. Um estudo da Universidade da Virgínia, nos Estados Unidos, analisou dados de dois bancos de imagens e concluiu que os algoritmos muitas vezes agravam a discriminação por causa de vieses implícitos nos dados.

https://brasil.elpais.com/brasil/2017/09/19/ciencia/1505818015_847097.html?%3Fid_externo_rsoc=FB_BR_CM&fbclid=IwAR26s3A7Li6KBRno4jZOyC-ZPmjWOk-ErX1L6qY5GY7R2kOeCpRnJqzeoI8