Dia Internacional das Mulheres – data de luta e reflexão

Hoje, 08 de março de 2022, é considerado o Dia Internacional das Mulheres e, normalmente, data de comemoração e homenagem à existência de mulheres. O grupo do LIEG posiciona-se de uma forma que pretender problematizar não só a comercialização, idealização e o desvio do aspecto político do dia de hoje, mas também trazer algumas reflexões: Quem consideramos mulheres hoje no Brasil? Qual a realidade de existência das mesmas? Quais nossas principais demandas e reivindicações de luta?

A partir de um posicionamento e perspectiva feminista não-hegemônica, consideramos que o movimento necessita considerar a multiplicidade das formas de expressão do gênero feminino e a complexidade das diferenças entre as formas de existência desse grupo. O feminismo do LIEG não é indiferente à questão racial, colonial e sexual. Isso significa que não ignoramos o fato de que SER MULHER significa ser ou estar em posições de vulnerabilidade e de opressão, com recortes históricos, sociais e econômicos de raça, classe, sexualidades, religião e etc.. Portanto, a existência das mulheres plurais está interseccionada por múltiplas formas de opressões, violências e invisibilizações.

Quem está na posição de vitimada? Por que mulheres brancas são vistas como meigas, desprotegidas e despreparadas e mulheres negras como agressivas e indestrutíveis? Por que as trans e travestis não são vistas nem como pessoas ou como mulheres? As violências estão atravessadas por diversos aspectos estruturais, históricos e políticos que moldam e determinam algumas existências. É nesse sentido que o dia de hoje é importante para darmos visibilidade à condição de vivência das mulheres no Brasil:

Violência contra a mulher aumentou no último ano, revela pesquisa do DataSenado”. Fonte: Agência Senado (09/12/2021).

Assassinatos de pessoas trans voltam a subir em 2020″. Fonte: Antra – Associação Nacional de Travestis e Transexuais (03/05/2020).

“Brasil registrou 140 assassinatos de pessoas trans em 2021: São Paulo foi o estado com maior número de ocorrências”. Fonte: Repórter da Agência Brasil – Brasília. (29/01/2022).

“61,8% das vítimas de feminicídio em 2020 eram negras”. “Mulheres negras concentraram índices piores de qualidade de vida quando comparado com mulheres brancas”. Fonte: Anuário Brasileiro de Segurança Pública, ano 15, 2021; Atlas da Violência, 2021; Visível e invisível: a vitimização de mulheres no Brasil, 3ª ed., 2021; Panorama da violência letal e sexual contra crianças e adolescentes no Brasil, 2021, UNICEF e Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Os dados, índices, reportagens e notícias demonstram o porquê da data de 08 de março não poder estar distante da luta e das reivindicações que estão articuladas às práticas de (re)existirmos. A coletividade de mulheres, que não é homogênea e não pode ser analisada de forma generalista, encontrará sempre desafios e obstáculos no caminho da tentativa de simplesmente SER. Assim sendo, o dia de hoje demanda muitas reflexões, problematizações e mudanças para todos, todas e todes. Não queremos felicitações. Não queremos os “parabéns”. Não queremos flores, queremos a flor da vida, do respiro e de outra realidade de existência. Chega! Não nos calaremos e nem você deveria.

Uma resposta para “Dia Internacional das Mulheres – data de luta e reflexão”

  1. Hoje, Dia Internacional d(s) Mulhere(es) a s palavras estão soltas, voando nas mídias digitais desejando e enviando mensagens positivas com se o mundo das mulheres fosse pleno de alegria, paz e equidade.
    Nos, pesquisadoras/es do LIEG/UNESP estamos atentxs para o momento presente: guerras visando interesses e lucros; violência doméstica crescente chegando à feminicidios com altas estatísticas, principalmente em tempos de pandemia e situações agravantes onde ELAS como vitimas não tem como se queixar, reclamar , pois a sua palavra não tem sentido nessa sociedade machista, patriarcal e heteronormativa. . Portanto, podemos sim festejar esse dia!! Mas a luta permanece ! Estamos juntas

Os comentários estão desativados.