Acompanhando o  Relatório da  CPI dos Trotes que foi instalado em 2014, na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo/ALESP que denunciou gravíssimos casos de assedio sexual e abusos de comportamento  nas universidades paulitas bem como seus desdobramentos  ,o LIEG desenvolve um  Projeto de Pesquisa que tem como objetivo analisar as praticas e denuncias  silenciadas   visando criar alternativas de enfrentamento  em parceria com as Ouvidorias  da UNESP, preferencialmente  nos  campi de Marília, Bauru e Botucatu..

O caso do aluno  de medicina da USP, acusado de estupro de uma aluna de enfermagem em 2012,  ainda está em processo de diligencia , sem uma solução plausível, embora  o caso tenha gerado o fato que é urgente. a ” universidade” rever seu código de ética  que leva as vitimas a silenciarem  e a conviver com o trauma de serem expostas à situações adversas nos tribunais. Perguntas constrangedoras , vestimentas provocativasv  e aceitação de certos elogios  e convites as colocam em situação de vexame publico .

Como enfrentar e reduzir  esse tipo de situações e comportamentos abusivos é o nosso desafio atual!

Veja a reportagem:  https://www.nexojornal.com.br/entrevista/2018/07/19/O-que-mudou-na-USP-depois-da-CPI-dos-Trotes-de-2014