Aposto  na nova geração de pesquisadoras, à exemplo da  professora de Ensino Medio/SP,   Mariana Alves de Sousa , negra,  aluna do Mestrado Profissional em Sociologia – PROFSOCIO_ da UNESP, campus de Marília.

Foi gratificante orientá-la  em sua pesquisa  em parceria com a Profª. Valeria Barbosa/UNESP.  Trabalho  de certa forma pioneira  onde assume o lugar  do seu discurso e identidade de gênero . A dissertação é intitulada :” CAMINHOS PARA PROMOVER O RECONHECIMENTO DA NEGRITUDE FEMININA POR MEIO DO ENSINO DE SOCIOLOGIA” .

Com um tempo  exíguo para cursar as disciplinas obrigatórias do Curso , lecionar,  realizar as leituras indicadas, além de  fazer uma minuciosa  pesquisa de campo  na escola onde trabalha.. De fato uma empreitada digna de mérito.  Como sua orientadora fiquei impressionada como tratou de maneira  atenta  e  correta a discussão teórica  com xs autorxs ( ver referencias)  de várias nuances onde  gênero e a  interseccionalidade foram  ferramentas de análise muito bem conduzidas.

Aprovada com distinção pela Banca , realizada através do Hangout/Google  no dia 30 de março de 2020 demonstrou como o acesso  à informação científica associada a um  trabalho empírico/etnográfico  fornecem  as condições necessárias para que  um nova geração  de mulheres possa alçar  o espaço  intelectual e o mundo  acadêmico.

Deixarei em Anexo o Power Point de sua Apresentação para a Banca .

Mariana Alves de Sousa- PROFSOCIO – UNESP

Jovens negras e a sala de aula2[4284]